Parabéns Oscar Niemeyer .03

Eu só vi Niemeyer uma vez. Tinha chegado a Brasília nessa tarde, o trabalho que tinha vindo fazer era urgente e só tive tempo de depositar a mala na recepção do Hotel Nacional e pedir que a subissem até ao quarto. E logo saí, só tendo voltado horas depois, exausto e nada mais desejando do que uma cama onde adormecer e descansar o cansaço e o fuso horário. Mas quando entrei no quarto estava às escuras e toda a parede do fundo era uma imensa janela de vidro aberta até ao chão e que dava para a praça dos três poderes. Os “palácios” de Niemeyer, como dizem os brasileiros, estavam iluminados  e eu quedei-me ali, suspenso do meu cansaço, a olhar, sem conseguir separar a ilusão da realidade. Reparei que nada tocava no chão, que tudo – a Catedral, o Congresso, o Alvorada – parecia flutuar no ar, como ondas em suave movimento, em curvas absurdas (igual às curvas das mulheres, como explicou o Niemeyer) e nessa noite, olhando a praça dos três poderes através da janela do quarto, custou-me a adormecer, porque não sabia se alguma vez voltaria a estar tão perto e tão próximo de decifrar a magia da arquitectura.”

Miguel Sousa Tavares (publicado na revista Arquitectura & Construção)

Adriana Floret

About these ads
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s